Setor Bronx no Rock in Rio

E aêêê meu povo que bebe vinho no cemitério!!! Hoje trazemos uma puta notícia pro cenário independente da música.

A edição do Rock in Rio 2019 contará com uma atração no Palco Favela que é porrada na orelha e papo reto nos mics.
A banda Setor Bronx estará no line-up do dia 28 de Setembro, data que trará ao Palco Mundo as bandas Weezer, Tenacious D, CPM22, Raimundos  e terá como headline o Foo Fighters.

Originária de Padre Miguel, subúrbio da Zona Oeste do Rio, o Setor Bronx é uma banda que ta na pista desde 1999 e traz no som uma foda mistura de  rap e rock n roll, que deu muito certo. Com letras diretas e pontuais, as composições trazem um teor pesado, o que combina muito bem com os temas abordados nas letras, onde contam um pouco das vivências sociais e políticas do nosso país, em forma de protesto.

Como a banda mesmo diz, o som dos caras é NITROGLICERINA pura, as apresentações da banda tem sempre uma presença de palco muito marcante, além de uma qualidade musical que faz jus ao bordão “quem sabe faz ao vivo”.

Uma grande novidade também é que a banda anunciou o retorno do baixista Sérgio Cake, uma figura conhecida da cena independente do rock carioca por conta de seu talento nos graves, precisão nas notas incrível e uma presença de palco sempre enérgica. A “cozinha” do Setor Bronx tem uma conexão muito forte, as baquetas de Wagner R9 comandam a dinâmica das músicas com uma pegada rock n roll na batera, e um entrosamento com o baixo que vale muito a pena curtir de perto. A banda conta ainda com os riffs poderosos do Vagão Psycho na guitarra, e os vocais de Landro Cabeça e Marcelo Doby comandando o bonde de Padre Miguel. Em 2015 a banda fez o lançamento de 3 singles “Hasta La Victoria” , “Amplifica”e o “O 3 MCs Bolados”, esta tem a participação especial do rapper Dudu de Morro Agudo, que também estará presente no Palco Favela do Rock in Rio 2019.

Pra quem já conhece o som do Setor Bronx sabe que isso é o resultado da qualidade e empenho do trabalho dos caras. Pra quem ainda não conhece, vale a pena ouvir o som da banda. Vida longa ao rap, vida longa ao rock! Vida longa ao independente!

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *